Domingo, 16 de Dezembro de 2018

Notícias

Segunda-Feira, 16 de Julho de 2018 09:43

PMMA

Gerente do Bradesco de 46 anos morre após procedimento estético no RJ

Lilian Calixto se submeteu à aplicação de um polímero chamado PMMA, usado para preenchimento
Gerente do Bradesco de 46 anos morre após procedimento estético no RJ No detalhe, Lilian Calixto, que faleceu após procedimento estético no Rio

Um procedimento estético mal sucedido, feito no Rio de Janeiro, no final da tarde do último sábado (14), acabou levando à morte Lilian Calixto, de 46 anos.

Ela era uma das principais gerentes do antigo HSBC em Cuiabá, hoje incorporado pelo Bradesco.

Segundo apurou a reportagem, ela se submeteu ao procedimento para aplicação de PMMA (polimetilmetacrilato), um polímero, ou fibra sintética, em forma de gel, usado para preenchimento de partes do corpo.

A suspeita é que o produto tenha sido injetado, por engano, em um vaso sanguíneo, o que causou uma embolia.

Conforme apurado, Lilian realizou o procedimento em uma clínica. Aparentemente, não houve qualquer tipo de problema. Tanto que, após o término, ela teria saído para jantar com o médico e sua equipe, próximo à clínica.

Durante a refeição, ela reclamou que estava passando mal, a equipe mediu sua pressão e verificou que a mesma estava muito baixa. Em seguida, ela foi levada a um hospital, mas não resistiu e faleceu na madrugada de domingo.

Familiares seguiram para o Rio de Janeiro em busca de mais informações sobre o falecimento e os procedimentos para a liberação do corpo.

Riscos

Após a aplicação, o PMMA se molda, "endurece" e não é mais absorvido pelo corpo. O produto é aplicado por meio de um microcânula, com anestesia local. 

A Anvisa aprova o uso do PMMA, mas a Sociedadde Brasileira de Cirurgia Plástica não o recomenda com fins estéticos, e em quantidades elevadas, mas apenas para preenchimentos de partes do corpo que tenham se deformado por causa de traumas ou deformações causadas por doenças. 

Um dos casos de repercussão pelo uso da substância, junto com o chamado hidrogel, foi o da ex-modelo Andressa Urach, em 2009.

Ela aplicou o produto para aumentar o volume das coxas e uma infecção a deixou em estado grave, anos depois, quando ela foi retirar o mesmo. Após dias na UTI, a infecção foi controlada, mas o procedimento deixou sequelas.

Fonte: Mídia News

NOTÍCIAS RELACIONADAS

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}