Quinta-Feira, 16 de Agosto de 2018

Notícias

Segunda-Feira, 16 de Abril de 2018 09:17

Araguaia

MPF lança documentário Marãiwatsédé, O Resgate da Terra, sobre a luta dos Xavantes pela área

O MPF será representado pelo procurador da República Wilson Rocha, um dos autores da ação civil pública que pede a reparação aos índios pelas violações sofridas

O Ministério Público Federal (MPF) lançou neste sábado (14), às 19h, o documentário “Marãiwatsédé: O Resgate da Terra”, que conta a história da remoção forçada dos Xavante de sua terra tradicional durante a ditadura militar e a luta pela retomada do território. O lançamento será marcado por exibição especial do filme para os índios, em sessão ao ar livre em frente à Escola Estadual da Terra Indígena Marãiwatsédé, localizada no nordeste do Mato Grosso. A expectativa é que 200 indígenas participem do evento. O MPF será representado pelo procurador da República Wilson Rocha, um dos autores da ação civil pública que pede a reparação aos índios pelas violações sofridas.

Com 30 minutos de duração, o documentário é resultado de parceria entre a Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais (6CCR) e a Secretaria de Comunicação Social do MPF e foi produzido pela empresa Chá com Nozes. Conta a história da luta de mais de 40 anos dos Xavante para recuperar a posse do território de onde foram removidos à força em 1966. A remoção forçada foi resultado da associação entre órgãos do governo federal e fazendeiros durante a ditadura. Cerca de 1/3 da população de mais de 263 índios morreu como resultado da remoção.

O documentário ouviu indígenas que estavam entre os removidos, membros do MPF, especialistas e antropólogos. “Foi um tentativa de genocídio”, explica Wilson Rocha. “A gente percebe pela narrativa do grupo e pelo contexto histórico que o objetivo do estado brasileiro e dos empreendedores particulares a ele associados era que o grupo de índios desaparecesse, física e culturalmente, porque esse desaparecimento permitiria que as terras fossem apropriadas pelo empreendimento agropecuário”.

Na remoção, os índios foram levados para uma área que passava por uma epidemia de sarampo e ficaram sem qualquer assistência, o que resultou na morte de mais de 80 pessoas. O filme registra depoimentos emocionantes de quem presenciou as mortes, a violência e o desrespeito à cultura e às tradições do povo Xavante. “Eu vi minha família, minha mulher, meus irmãos, todos doentes. Morreram. A família toda morreu, acabou. O único sobrevivente sou eu”, lembra com emoção Dutra Tserepalhipti, um dos indígenas ouvidos pelo documentário.

Os Xavante só conseguiram a posse definitiva de sua terra tradicional em 2014, depois de muita disputa com fazendeiros e posseiros e uma longa batalha judicial. Em 2016, o MPF instaurou ação civil pública pedindo a reparação dos danos de natureza material e moral coletivos sofridos pela comunidade indígena Xavante de Marãiwatsédé, devido à remoção forçada de seu território tradicional. São réus na ação a União, o Estado do Mato Grosso, a Funai e 13 herdeiros da fazenda Suiá-Missu.

Na ação, o MPF pede reparação no valor de R$ 129 milhões aos índios, para compensar os danos morais e materiais verificados nos cerca de 48 anos nos quais a comunidade esteve privada de seu território; a restauração ambiental da terra indígena; o pedido público e formal de desculpas aos Xavante, formulado pelas autoridades brasileiras; o direito à verdade, para que os fatos sejam narrados como de fato aconteceram em todos os registros oficiais, com a declaração expressa de que, neste caso, o Estado brasileiro participou de um genocídio.

Após o lançamento, o documentário “Marãiwatsédé: O Resgate da Terra” será exibido na TV Justiça, no dia 15 de abril, às 22h, com reprises em diversos horários ao longo da semana.

Fonte: Redação Olhar Alerta

VIDEO DA NOTÍCIA

NOTÍCIAS RELACIONADAS

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}